terça-feira, 22 de maio de 2012

Mãe de 400 filhos

Por: Pedro Menezes e André Vaz

Orcileni de Carvalho diz que seu sentimento por animais “é como o de mãe – incondicional”. Presidente da organização não governamental (ONG) Abrigo Flora e Fauna, sediada em Ponte Alta no Gama, Orcileni cuida de cerca de 400 cães e gatos, e promove todos os sábados feiras de adoção na quadra 108 Sul de Brasília. O abrigo é mantido com doações: “Sei que tem cachorro que toma café, almoça e janta. Aqui não dá, mas tudo que posso fazer, eu faço”, conta Orcileni.
Camila Rodrigues
Orcileni diz saber o nome de todos os 400 animais e garante que, de alguns, reconhece até o latido
Abrigo Flora e Fauna
Orcileni de Carvalho, 47 anos, conta que a paixão por animais não é nova: “Já quando criança eu pegava os bichinhos abandonados da rua e levava para casa”. Há sete anos fundou a ONG, e recebe ajuda de colaboradores para conseguir arcar com as despesas – só de ração, por exemplo, são necessárias duas toneladas por mês. Quem a ajuda diariamente é Naldo de Sousa, de 51 anos. Eles trabalharam juntos em uma tapeçaria no Gama antes da fundação da ONG. Por enquanto, só os dois passam os dias na chácara, mas pensam em contratar funcionários futuramente.

Além das despesas mensais, outra dificuldade é a infraestrutura da chácara em que a ONG é sediada. Em 2010, construíram dois canis coletivos e uma clínica para atendimento interno, que ainda não está ativa, mas já dispõe de geladeira (para os medicamentos) e mesa de cirurgia. O objetivo é castrar os animais. Para Orcileni, esse é o primeiro passo para solucionar o abandono em massa: diminuir a reprodução desenfreada. Segundo ela, vários médicos veterinários já se dispuseram a colaborar com a causa.
Camila Rodrigues
Além dos canis coletivos, Orcileni pretende construir canis individuais e um hotel para cães e gatos

Os próximos passos são a finalização de 20 canis individuais (para cadelas prenhas, filhotes e doentes) e de um hotel para hospedagem de cães: “Os donos que precisarem viajar, podem deixar seus animais aqui”, explica Orcileni. Segundo ela, será cobrado, além da ração correspondente ao período da estadia, um valor simbólico. A iniciativa é uma fonte de renda que vai ser aplicada nas demais despesas.

Cães e gatos
Os animais são recolhidos na rua ou trazidos ao abrigo por “protetores”, como Orcileni chama aqueles que ajudam no processo. Porém muitos protetores, de acordo com ela, têm uma ideia equivocada do abandono: “Já me trouxeram cães de raça, bem alimentados, que foram encontrados na rua. Às vezes foi só uma fugidinha de casa”, conta. Para Orcileni, o perigo aos cachorros e gatos abandonados não está nas ruas, mas no homem: “Falta, acima de tudo, respeito. Esses animais sofrem violência gratuita diariamente”, conta.

Apesar do descaso, muitas pessoas estão dispostas a ajudar. Em novembro do ano passado, foi organizado o primeiro “mutirão” de banho e vermifugação, que reuniu aproximadamente 40 voluntários. Em abril, alunos do curso de Veterinária da Universidade de Brasília (UnB) fizeram o trote na chácara – “um grande mutirão de banho. Os bichinhos ficaram muito felizes. E a felicidade deles é a minha”.
Camila Rodrigues
Orcileni conta com a ajuda de "protetores", que recolhem animais abandonados nas ruas

Feira de adoção e bazar
Há um ano, a ONG Abrigo Flora e Fauna organiza feiras de adoção todo sábado em Brasília, na quadra 108 Sul, de 10h30 às 15h. “A saída de filhotes é mais fácil”, conta Orcileni, “mas pessoas já adotaram animais que eu não imaginava, como alguns que sofreram amputação de membros ou outros bem velhinhos”. O sentimento de colocar animais para doação é um dilema: “É como um parto. Só podemos esperar que na nova casa cuidem bem deles”, diz.

Rafaela Vieira, estudante de Arquitetura da UnB, aproveitou a feira para adotar Brigitte, de seis meses. Além dos animais do abrigo, colaboradores também levam animais para serem adotados, como Fátima de Oliveira, que leva gatos. “Já tive depressão, mas o envolvimento com esses gatos e o processo de adoção me recuperou a vontade de viver”, diz Fátima.

Para arrecadar fundos, a ONG também organiza bazares. O próximo será realizado sábado (12), de 10h30 à 17h, na Escola Classe 410 Sul. Além dos organizados pela própria ONG, há também parceiros – o leilão virtual do Bazar Bicho Fofo desse mês de maio terá, por exemplo, metade do valor arrecadado revertido para o Abrigo Flora e Fauna.

Serviço
A ONG Abrigo Flora e Fauna recebe doações de ração, vermífogos e jornais, além de roupas para os bazares. Para contribuir, basta ir às feiras que acontecem todos os sábados ou à sede da ONG. Para mais informações:

Blog Abrigo Flora e Fauna
Abrigo Flora e Fauna no Facebook
Orcileni de Carvalho (presidente): (61) 9842-5461
Fonte: Fac.unb.br

Um comentário:

  1. AMO DEMAIS....É UMA GUERREIRA..SEU SONHO É O MEU ORCILENI..DESDE PEQUENA CATAVA OS BICHINHOS NA RUA, ABANDONADOS, PERDIDOS, FLHOTES , PASSAROS CAÍDOS..ENFIM..QUANDO EU CRESCER QUERO SER IGUAL A VC! RSRS CONTE SEMPRE COMIGO..QUERO SEMPRE PODER AJUDAR..PRINCIPALMENTE FINANCEIRAMENTE..POIS SEI QUE NÃO VIVEMOS APENAS DE CARINHO..A TI DESEJO MUITO SUCESSO..E MUITA SAUDE PRA AGUENTAR IOS TRANCOS POR MAIS 40 E 40 E 40 E 40 E 40 ANOS..QUE DEUS ABENÇÕE SUA VIDA E A DO NALDO TBM, POR TEREM DEDICAÇÃO EM REALIZAR ESSE DOM DE DEUS..JUNTOS SOMOS MAIS ..BEIJOS DAY MELO

    ResponderExcluir